Search

Campanha Sementes da Vida é lançada no Pará



MCP Pará lançou a campanha permanente contra as contaminações das sementes crioulas “SEMENTES DA VIDA” no mês de junho no estado do Pará.

O ato de lançamento acorreu no Sítio São Raimundo, na comunidade do 12, em Igarapé-Açu, com a presença das organizações parceiras: Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Movimento Cabano; Instituto Peabiru; Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares – INEAF/UFPA; Instituto PEABIRU; Organização Juquira Candiru Satyagraha; Fórum Estadual Educação do Campo; Mandato Paulo Rocha; Escola de Formação para Jovens Agricultores (ECRAMA) e Fetagri/Regional Bragantina. Além de lideranças dos movimentos sociais, representantes de instituições de ensino, pesquisa e extensão, das comunidades locais e do mandato do Senador da República Paulo Rocha (PT) estiveram presentes no ato.

Foi uma noite inspiradora, com falas entusiasmadas na perspectiva de defesa e difusão das sementes crioulas como estratégia de soberania alimentar dos povos. As sementes como um patrimônio comum, imprescindível para construção da autonomia camponesa.

As sementes crioulas são resultado de melhoramentos feitos por camponesas em diversos territórios ao longo de milhares de anos. São sementes adaptadas às condições de cultivo de acordo com a história de cada povo e das particularidades locais. As crioulas possuem ampla base genética diferenciando-se das cultivares melhoradas e principalmente das geneticamente modificadas.

A defesa das sementes é um pressuposto fundamental para garantia dos territórios em sua diversidade, especificidade e direito coletivo. São as sementes, as células embrionárias da vida que em sua diversidade genética carregam histórias, conhecimentos e culturas milenares das comunidades. Tudo isso, ganha sentido com a ação dos guardiões das sementes, que as tornam um bem comum por meio da implantação dos campos de multiplicações, das atividades de trocas e organização de bancos comunitários e familiares de sementes.

São os guardiões que multiplicam as experiências nas comunidades, tonando referência de esperança e ânimo das famílias camponesas. Se encorajam no enfretamento ao avanço da fronteira agrícola, a expansão do agronegócio nos territórios camponeses e a luta pela democracia brasileira.


Conservar as sementes, produzir e consumir comida limpa, multiplicar esperança são ações que dependem de uma forte aliança entre os camponeses e os trabalhadores da cidade, pois, são este os protagonistas que tornam a sociedade viva. Essencialmente a Campanha Sementes da Vida, é um ponto de encontro entre os produtores e consumidores de comida de qualidade, por isso faz tanto sentido a parceria entre os sujeitos.

A produção de alimentos saudáveis se articula com necessidade de políticas públicas sérias, de ações governamentais que priorizem o abastecimento e consumo interno, da mesma forma, de desenvolvimento de ferramentas (tecnologias sociais) agroecológicas populares de amplo acesso.

A Campanha Sementes da Vida, é o espaço de diálogo sobre a origem do alimento que tá na mesa. De refletir sobre as formas em que são produzidas, e principalmente a segurança das mesmas para saúde humana e da natureza. Podemos também, aproveitar para denunciar a contaminação genética das nossas roças, são muitas ações que pode serem realizadas. Cada território uma realidade, cada realidade um desafio, cada desafio uma luta!


Venham construir a campanha, somos convidados e convidadas a defender a vida!